26 de dezembro de 2013

Teste elege Galaxy Note 3 o melhor smartphone entre os mais caros.

Tela

14 de julho de 2013

Mito ou verdade: é preciso tirar a bateria do notebook quando ele está no cabo?


Diversos mitos sempre existiram em relação às baterias de notebooks e celulares. Vamos desvendar alguns deles para você!


Muitos se perguntam se as baterias de notebooks, netbooks e celulares atuais “viciam” como era perceptível há alguns anos atrás. Em busca de evitar o problema, alguns usuários chegam a retirar a bateria dos notebooks enquanto há uma tomada por perto e sempre gastam toda a carga antes de plugar o computador na tomada novamente.
Será que essas práticas tem algum fundamento comprovado? E as baterias de hoje, apresentam ainda a possibilidade de serem viciadas pelo mau uso? O Baixaki pesquisou sobre o tema para você e responde a essas e outras questões nas linhas seguintes.
Vicia mesmo?
A resposta é muito simples: não! O fenômeno que muitos chamam de viciar a bateria na realidade se chama “Efeito Memória” e ocorria nas antigas baterias de níquel-cádmio. Elas registravam a diferença entre o ponto inicial da carga até que ela fosse maximizada.
As novas baterias não viciam como antigamente.
Em termos mais simples, se você carregasse algumas vezes a bateria a partir de 20% de carga, depois de um tempo o carregador passaria a considerar os 80% restantes como a carga total. Essa perda de carga útil é chamada de vício de bateria. Por isso a ideia de que é necessário esvaziar completamente as baterias perdura até hoje. As baterias atuais do gênero são de íons de lítio e não precisam desses cuidados.
Desgaste natural
Antes de tudo é necessário ter em mente que o carregamento e utilização das baterias são processos químicos e sofrem desgastes. O tempo de vida com bom rendimento de uma bateria de ótima qualidade é próximo de quinhentas cargas. Em componentes de baixo custo esse valor não chega a trezentos processos.
Mito ou verdade: é preciso tirar a bateria do notebook quando ele está no cabo?
As baterias não viciam ou perdem o seu potencial de carga pelas mesmas práticas que comentamos anteriormente, mas há alguns aspectos a serem observados para melhorar a vida útil do componente, em especial para quem tem sempre uma tomada por perto.
Deixar na tomada estraga?
Não há indícios comprovados de que manter a bateria no notebook ligado à tomada mesmo após a carga completa danifique o componente. Se você utiliza a bateria normalmente e faz algumas utilizações do notebook fora da tomada durante a semana nenhum efeito de perda de capacidade ocorrerá em curto prazo. Além disso, a bateria serve como estabilizadora para a corrente e evita que o computador desligue em uma queda de luz acidental, fatores que tornam útil mantê-la no aparelho.
Armazenamento
As dicas a seguir devem ser seguidas por quem deseja armazenar sua bateria em casa ou não fará uso do notebook durante um bom intervalo de tempo. Se os locais que você frequenta contam com tomadas acessíveis e você provavelmente não utilizará a bateria, é necessário ter alguns cuidados antes de guardá-la.
A carga ideal par armazenar é entre 40% e 50%.
É extremamente perigoso armazenar a bateria descarregada.  Com o tempo ela pode perder o que é chamado de carga mínima de funcionamento, o que causaria a “morte” do componente. Também não é recomendável guardá-la com 100% de carga, o que a desgastaria mais rapidamente.
O nível ideal de carga recomendado para armazenar a bateria é entre 40% e 50%. Também é importante mantê-la em um local seco e evitar locais de alta temperatura, visto que a capacidade de manter a carga é perdida em períodos longos de exposição ao calor.

4 de julho de 2013

Como remover adwares e propagandas do navegador.

Muitas extensões e barras de pesquisa trazem mais prejuízos do que vantagens para o seu browser. Saiba detectar e eliminar propagandas desnecessárias e deixe a sua navegação mais limpa.
Instalar extensões no navegador é algo interessante, porém é preciso tomar muito cuidado ao selecionar o que você deseja usar. Muitos plugins são, na verdade, adwares disfarçados de complementos, que não possuem muita utilidade e enchem o seu navegador de propagandas desnecessárias.
Muitas vezes, esses adwares são ativados na hora em que você está instalando um programa, se você não prestar atenção. Isso já deve ter acontecido: você abre o instalador de um software gratuito e, durante o processo, ele pede para que você autorize o uso de um plugin, barra de pesquisa ou outro tipo de complemento.
Como saber se o meu navegador está infestado com isso?
Primeiramente, pode ficar tranquilo: na maior parte dos casos, esse tipo de complemento, mesmo que irritante, não causa maiores danos ao seu computador, como acontece com um vírus. Mesmo assim, não é nada interessante manter esse tipo de plugin no seu navegador.
Como remover adwares e propagandas do navegador
Banners localizados em locais incomuns são um sinal de extensões maliciosas instaladas. (Fonte da imagem: Reprodução/Tecmundo)
Para saber se você possui complementos desse tipo no seu browser, repare se você anda recebendo propagandas em sites que não possuem esse tipo de elemento. Um teste simples é acessar a própria home do Facebook; se existir publicidade em áreas dessa página que não costumam estar lá normalmente, isso quer dizer que você possui adwares instalados sem saber.
Outro tipo de adware é aquele que cria links em palavras no meio do texto, aleatoriamente. Quando você passa o mouse por cima do trecho, ela mostra uma caixa de propaganda que tem relação com o que está escrito. Alguns sites possuem esse tipo irritante de publicidade nativamente, porém, se você começar a ver isso em todos os lugares, desconfie — o problema pode ser o seu navegador.
E agora, o que eu faço?
Como remover adwares e propagandas do navegador 
(Fonte da imagem: Reprodução/Shutterstock)
Nada de pânico, a solução para isso é muito simples! Se os complementos é que fazem com que o seu navegador fique maluco desse jeito, basta desativá-los e tudo volta ao normal, certo? Exatamente. Uma vez que você retirar do browser as extensões indesejadas, ele volta a mostrar os sites corretamente, sem propagandas a mais.
Para fazer isso, encontre a janela de plugins do seu navegador. No Firefox, você precisa clicar no menu “Firefox” (aquele botão laranja) e escolher a opção “Complementos”. No Google Chrome, clique no ícone em forma de ferramenta e vá até Ferramentas > Extensões.
No Internet Explorer, clique no botão em forma de engrenagem e escolha a opção “Gerenciar Complementos”. No Opera, clique no menu “Opera” (no canto superior esquerdo) e siga o caminho Extensões > Gerenciar extensões. Por último, no Safari, você deve clicar no ícone em forma de engrenagem e ir até Preferências > Extensões.

Ok, você está na janela de complementos do seu navegador, agora é a hora de desinstalar todo o lixo. Veja tudo o que você não tem certeza do que é, extensões que prometem indicar promoções, elementos duvidosos e tudo o que você não se lembra de ter escolhido instalar, e desative-os. Na dúvida se um plugin é prejudicial ou não, é melhor retirá-lo também.
Como remover adwares e propagandas do navegador
No Google Chrome, basta desmarcar as extensões problemáticas. (Fonte da imagem: Reprodução/Tecmundo)
Pronto! Alguns navegadores, como o Firefox, pedem para que você reinicie o browser para que as mudanças sejam efetuadas; outros, como o Chrome, não necessitam desse tipo de ação, basta recarregar as páginas abertas e ver os anúncios indesejados sumirem. É recomendado também limpar o cache e apagar os cookies, só por garantia.
Não era esse o problema?
Se você usa o Firefox e ainda continua com uma barra de pesquisa perdida por aí ou mesmo com complementos que mudam o serviço de buscas do seu navegador, pode ser preciso fazer uma limpeza mais pesada. Acesse este tutorial e veja como eliminar de vez qualquer conteúdo indesejado desse navegador.